Etiquetas

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

IGREJA ROMÂNICA DE GONDAR (I) 
(FACHADA PRINCIPAL)

A fachada principal da igreja, voltada a poente de acordo com os cânones eclesiásticos, é extremamente simples e despojada.
Igreja românica de Gondar
O portal surge rasgado na espessura do muro. Compõe-se de três arquivoltas quebradas isentas de colunas, ou seja, apoiadas diretamente nos pés-direitos do muro. No entanto, Xosé Lois Garcia, no seu livro "Simbologia do Românico de Amarante", admite que o portal teve colunas de que foi espoliado.
Sendo que o tímpano é liso, o único elemento decorado deste portal é precisamente a arquivolta externa onde se aprecia o motivo do enxaquetado, tema tão caro ao românico português.
O portal é encimado por um pequeno óculo com uma grelha composta por cinco círculos colocados segundo os braços de uma cruz. Estes cinco orifífios, quando a luz solar incidia sobre eles, projetavam a cruz no interior do templo.
Ambos os elementos, o portal e o óculo, falam-nos de uma cronologia tardia, já mais próxima do gótico que virá, do que do românico na sua plenitude, pelo que devemos entender esta Igreja de Gondar no seio daqueles edifícios que têm vindo a ser identificados pelas designações periféricas de “românico de resistência”, de “gótico rural” ou, mesmo, de “protogótico”.
A fachada é rematada por uma cornija moldurada e encimada por uma cruz latina.
Miguel Moreira

terça-feira, 11 de outubro de 2016

MOINHOS DO SALTO (GONDAR)

A riqueza hídrica de Gondar, fornecida pelos rios Ovelha e Carneiro, para além de irrigar os campos adjacentes, era aproveitada para pôr a funcionar um conjunto de moinhos de rodízio que faziam da atividade molinológica uma das mais importantes de Gondar.


Moinhos do Salto - Gondar

Hoje, em completo estado de abandono e degradação, os moinhos são apenas memórias de um passado que apenas os mais velhos recordam. Foram ultrapassados por moagens com tecnologias mais rentáveis e Gondar é exemplo disso, já que possui uma indústria de moagem moderna e de dimensão nacional – a “Moagem de Gondar”.


Casa e moinhos do Salto (Gondar)


Rio Ovelha no lugar do Salto (Gondar)

Dos velhos moinhos de rodízio, apresento aqui algumas imagens daquilo que foram os moinhos do Salto, uma das moagens de maior produção em Gondar.
Conheço terras onde os moinhos despertaram o interesse das autarquias que os recuperaram para fazer deles um pólo de atracção turística, por motivos culturais, ou, simplesmente, para conservação do património industrial. Não foi o caso de Gondar. Mas, se o quiserem fazer, que o façam quanto antes, pois o tempo é implacável na degradação do pouco que ainda resta.
Miguel Moreira (texto e fotografia)

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

VILA SECA

Vila Seca - Gondar

                           VILA SECA

                           Na arte da olaria
                           Igualaste os melhores
                           Propalaste o nome Gondar
                           Aos artistas e doutores.

                           Acolheste os Pascoaes
                           E Nossa Senhora das Dores
                           Perpetuas em teu Museu
                           Memórias de muitos labores.

Miguel Moreira

domingo, 2 de outubro de 2016

OVELHINHA

Ovelhinha (Gondar - Amarante)

                              OVELHINHA

                              Ovelhinha do meu encanto
                              "Aldeia de Portugal"
                              Tens história em cada recanto
                              Um passado imortal.

                              Aos franceses resististe
                              Numa peleja infernal
                              Deixando teu nome gravado
                              Nos anais de Portugal.

                              Orgulhas-te do teu passado
                              Do teu presente também
                              Quem te visita sente-se amado
                              Quem te deixa saudades tem.

Miguel Moreira