Etiquetas

sexta-feira, 10 de março de 2017

ARQUITETURA POPULAR: uma marca identitária da comunidade

A arquitetura e as estruturas de povoamento de origem popular são uma componente essencial e definidora da cultura de qualquer sociedade e um dos mais ricos elementos do seu património cultural e social, sendo também um valor económico.

Ovelinha - Gondar (casario ribeirinho)
Lugar do Mosteiro (casario e cruzeiro)

Ao longo dos tempos, o povo soube desenvolver, de forma exemplar e criativa, soluções construtivas e tipologias diversificadas, tendo em consideração o espaço disponível e as condicionantes do relevo, assim como os materiais (o granito e a madeira) existentes na região. Soube edificar, com engenho e arte, as suas próprias habitações, construções para albergar o gado, para guardar os mantimentos, pontes para transpor rios e ribeiras, açudes, levadas, caminhos…, etc.

Casa da Boavista - Gondar
Casa rural (Ovelhinha - Gondar)
"Casa com varanda" (Lugar das Chedas - Gondar)

Contudo, a maior parte destas estruturas encontra-se numa situação de abandono ou acelerada degradação, sendo fundamental uma aposta clara na sua preservação e valorização.

Cortes de gado (Bailadouro - Gondar)

Espigueiro (Vilela - Gondar)

Entendemos que a conservação e compreensão desta cultura arquitetónica de raiz popular é essencial para a permanência da memória, da história e da cultura das comunidades. Torna-se, assim, necessário estudar e divulgar esta cultura arquitetónica, explicitando a importância da preservação deste património, que deve desempenhar um papel cada vez mais importante como referência para o futuro das comunidades, como motor de desenvolvimento económico e social e como referência para uma arquitetura contemporânea enraizada na nossa cultura e tradições.

Miguel moreira